© 2015/2018  Supernova Digital por Vânia Caparroz

Rua General Eldes de Souza Guedes 63 Z- Vila Sônia - Morumbi/SP

Marque sua consulta pelo WhatsApp 11 9.8546-2800

crescendoeacontecendo@gmail.com

VENHA NOS VISITAR

  • Facebook - Grey Circle
  • Instagram - cinza Círculo
  • YouTube - Grey Circle
  • Google+ - Grey Circle

Bullying na escola

​Seu filho anda triste, apático e arranjando desculpas para faltar à escola. Apresenta dores de cabeça ou estômago; e vive aparecendo machucado. Atenção, estes podem ser alguns sinais de que seu filho está sendo vítima de bullying na escola.

 

 

Para falar sobre esse delicado e recorrente assunto, conversamos com profissionais tarimbadas, psicólogas especialistas em  crianças e adolescentes, para explicar melhor sobre bullying, suas consequencias danosas e como ajudar os envolvidos.

Bullying não é o mesmo que simples conflitos, que fazem parte do cotidiano de toda criança. A psicopedagoga Alcione Marques explica que o bullying está relacionado a práticas de violência psicológica ou física que se repetem ao longo de um tempo significativo, pelo menos 5 ocorrências, sem motivo aparente para a agressão, e que trazem sofrimento, isolamento e prejuízos no desempenho escolar.

A psicóloga Carla Guth destaca alguns comportamentos que se categorizam como bullying:  assédio moral, a fim de intimidar; ações desrespeitosas, a fim de humilhar; atitudes perversas, a fim de maltratar ou agressões, a fim de amedrontar o outro.

Os pais, ao sentirem uma mudança de comportamento nos filhos, devem conversar abertamente. A psicóloga Cynthia Wood Passianotto, da Crescendo e Acontecendo, aconselha o diálogo franco como o caminho da investigação. "Não estimule seu filho a se vingar ou revidar, pois isto piora ainda mais a situação", esclarece a profissional.

Após identificar o bullying, procure a direção da escola e em casos mais graves o conselho tutelar, aconselha Karina Sauma Resk. "O papel da escola é identificar qual o papel cada criança está exercendo no grupo", ressalta. Identificar os líderes, os inábeis em relacionamentos, os agressivos, os que passam por dificuldades, e interceder, orientar, investindo na formação de cidadãos.

Perfil da vítima 


Em geral  as vitimas são crianças com baixa auto-estima, com dificuldade de socialização, mais tímidas e reservadas ou até mesmo mais frágeis fisicamente.Carla Guth


Perfil do agressor

Os agressores são avessos às regras e normas. Apresentam traços de desrespeito e maldade, associado a um poder de liderança. Carla Guth
Os agressores podem ser de ambos os sexos e muitas vezes são vítimas de agressividade na própria família. O agressor pode ser tanto inseguro e ter como ser muito seguro, mimado e habituado a obter tudo o que quer. Cynthia Wood

Como ajudar a vitima

Leve o assunto a sério, não minimize o ocorrido. Cynthia Wood
A vítima deve ser encaminhada a psicoterapia. Geralmente ela se sente mais frágil que as outras pessoas, ela precisa aprender a se defender.  Karina Sauma Resk
Reforce a autoestima da criança ou adolescente. Ajude-o a encontrar uma atividade que goste e incentive-o a fazer.  Cynthia Wood 

Como agir

Procure a direção da escola, ela é a autoridade que deverá intervir junto ao agressor. Os pais nunca devem abordar diretamente o agressor ou sua família.  Alcione Marques
A criança aprendem por imitação. É preciso que o adulto dê exemplos de cidadania, compaixão, solidariedade e cooperação. Karina Sauma Resk

 


COMO IDENTIFICAR A OCORRÊNCIA DE BULLYING:

NA ESCOLA

  •  Durante o recreio fica isolado ou procura ficar próximo de um professor ou adulto;

  •  Nos jogos em equipe é o último a ser escolhido;

  •  Apresenta-se contrariado, triste ou deprimido;

  •  Desleixo gradual nas tarefas escolares;

  •  Apresenta ocasionalmente contusões, arranhões ou roupa rasgada;

  •  Falta às aulas com certa frequência;

  •  Perde constantemente seus pertences.

EM CASA

  • Desleixo gradual nas tarefas escolares;

  • Apresenta aspecto contrariado, triste deprimido, aflito ou infeliz;

  • Apresenta com frequência dores de cabeça, pouco apetite, dor de estômago, tonturas, sobretudo de manhã;

  • Muda o humor de modo inesperado, apresenta explosões de irritação; 

  • Aparece com machucados, cortes, arranhões ou roupa rasgada;

  • Apresenta desculpas para faltar às aulas;

  • Tem poucos amigos.

Publicado originalmente em no Especial Guia Guedala, veja o post original aqui

Please reload

Destaques

Quer explicar política e igualdade para seu filho? Literatura ajuda!

1/10
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga a gente
  • Facebook Basic Square
  • Google+ Basic Square